segunda-feira, 8 de junho de 2009

No canto da parede

(Liam in Corner by Moggy - DeviantArt)



Nem ponto, nem vírgula
Alguns acentos espalhados pelo chão
A pena vagueia incerta sobre o papel
Busca de palavras
Sentido ao caos

Em dias como este, quando a inspiração refugia-se acossada em um canto de parede, tudo é mórbida semelhança entre o desejo de expressão e o silêncio do escritor. Acorde desafinado sonhando com uma voz que lhe empreste o tom. E deste mato não sai substantivo, preposições ou interjeições suficientes para referendar o desagrado. Verbo é artigo de luxo. Síntese desaforada exigindo um objeto direto-indireto sobre o qual derramar sua gramática.

Subversão do texto
Contexto de artigos indefinidos
Adjetivos pejorativos
Silepse da alma
Versos mal sucedidos
Agonia descrita em quadras sem rima
Sete laudas percorridas
Sete narrativas perdidas
Sete linhas tortas
Sete plágios
Sete palmos de papel amassado

Seria tolice contar segredos no papel, não vês?

7 comentários:

Ana Fernandes disse...

Em dias de alma vazia e letras escassas não faz mesmo sentido registrar segredos no papel, pois nada faz sentido nesse vazio...ou em qualquer outro!

Beijos meu escritor!

Narradora disse...

Realmente, subversão na medida da insubordinação.
Gosto disso.
Bjs.

J disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José disse...

sim tem dias qu enão adiante
não sia não brota,
e segredos, sonhos ou que for,
sempre ultrapassam o papel :D


:*

Fernanda Luz disse...

Contar segredos, colocar para fora o que o coração sente e a mente defende...falar, escrever por horasss..e depois notar que tudo não tinha a importância que imaginamos...estranho, mas essencial ao ser humano...
( E obrigada pela visita... )

Dora disse...

Às vezes a gente não consegue mesmo descrever de forma coerente. "Desinspirados".
Nem sempre o que se tem de mais forte tem uma boa explicação. Fica-se apenas com
"Sete narrativas perdidas
Sete linhas tortas
Sete plágios
Sete palmos de papel amassado"...

Mas ainda acho que o papel é um bom "ouvinte".
E que venha então uma semana cheia de inspirações.

:]

Marília Silveira disse...

mas até que pra um dia sem inspiração saiu bonita poesia, como já dizem os que dizem que pra escrever não precisa de lápis nem papel também devem ter os que sabem que poesia não precisa de rima necessariamente, nem de lógica, nem de sintaxe... beijos, querido!