quinta-feira, 29 de outubro de 2009

O troglossexual e o sacrossanto direito ao silêncio

shut your mouth by majezik - deviantart.com


Para quem não conhece o termo troglossexual, explico: cunhado pelo meu amigo Valcir, ele representa o nosso protesto ao que muitos tem tentado fazer ao homem, principalmente representa a nossa negação ao estilo de vida dos metrossexuais, überssexuais e outros sexuais que não sejam masculino-sexuais. O troglossexual é o homem que é homem, ou seja, tem pêlos, cospe no chão, coça o saco, fala palavrão, solta peido, bebe cerveja – ou outra bebida para macho – não usa creme anti-rugas, não faz limpeza de pele, não ajeita a sobrancelha e quando vai para a academia malha o bíceps e não os glúteos. Enfim, tendo explicado, retornemos ao ponto central deste manifesto (outra característica do verdadeiro homem, a objetividade), que é o sacrossanto direito ao silêncio, ou, em outras palavras, o direito de falar pouco.


Muitas mulheres reclamam repetidamente que seus machos não sabem conversar, praticamente deixando-as falando sozinhas. É verdade, não posso argumentar contra este fato, mas permitam-me dizer que esse é um indício – cara fêmea que me lê – de que você está acompanhada de um verdadeiro homem. O que vocês não entendem é que nós não possuímos a necessidade de expressarmos em palavras tudo o que se passa em nossas mentes, ou a incrível capacidade de transformar um relato que possa ser feito em cinco palavras em um discurso de infinitas laudas. E é interessante notar que muitas de vocês, quando fazem a lista das características ideais para o príncipe encantado, apontam a capacidade de ouvir como uma das principais. Ou seja, como vocês esperam que nós possamos ser bons ouvintes e ao mesmo tempo estejamos despejando nossas próprias opiniões, interrompendo seus intermináveis relatos de como foi o seu dia? E, apesar de poucos afeitos a longas conversas, nós, em respeito às suas características femininas, nos dispomos a ouvir tudo o que vocês acham importante nos contar, o que normalmente significa saber tudo o que aconteceu a partir do momento em que vocês acordaram até o momento em que está ocorrendo a conversa. Mas, mesmo estando dispostos a esse sacrifício, somos sempre repreendidos por conta do nosso silêncio.


Entendam, se vocês possuem o direito de falar tudo, nós temos o direito de nos manter calados, ou falarmos apenas o necessário. Minha sugestão é que vocês aproveitem aquele dia anormal em que seu troglodita preferido está emitindo mais do que alguns grunhidos. Talvez o time dele tenha vencido, talvez ele tenha sido promovido, talvez ele tenha bebido demais ou usado substâncias ilegais, talvez ele até tenha se encontrado com uma ex-namorada que lhe tenha chutado a bunda e descoberto que ela se casou, está gorda, flácida e tem mais varizes na perna do que o Brasil tem de estradas. Não importa o motivo, se ele está querendo conversar, então aproveite, se não for o caso, respeite o seu direito de manter a boca fechada. Caso você realmente precise falar, fale, nós escutaremos. Caso você precise ouvir opiniões mais longas do que uma sentença de três palavras, procure sua melhor amiga, e caso você ache que exista um homem que seja capaz de longas conversas, eu preciso adverti-la de que esse cara aí gosta da mesma fruta que você.


A propósito, não esperem pelo príncipe encantado, ele não existe, e se existir é metrossexual, ou seja, não é homem. Esperem pelo bárbaro, pois este é que será o homem capaz de matar qualquer dragão para lhe manter ao lado, e jamais disputará com você para saber quem tem o cabelo mais fashion...

9 comentários:

Mai disse...

Estou sorrindo. Um riso natural de quem entende de desabafos. E quem diria - as mulheres dizem o mesmo e haja bumerangue.

Legal, você é de verdade.
Abraços e bom feradão.

Zélia disse...

Sabe q ontem mesmo eu estava pensando nesse "troglossexual". Precisava caracterizar alguém e aí me veio o termo. kkkkkkkkkkkkk

Ai,ai... Eu desisti cedo de príncipe encantado. Ele não era um perfeito troglossexual mas me ensinou a deixar de ver cavalo branco em cada esquina (não os engarrafados mas de 4 patas). Resultado: casei com um troglossexual do time de vcs! hehehehe!


Aproveitando o espaço, me emocionou o seu comentário no meu blog, João. Antes disso, havia me emocionado ao ver vc e a Ana se transformarem em mais um. Tenho certeza q vc se transformará em uma verdadeira coruja e q a Ana será uma mãe perfeita.

Bjos aos 3! ;)

PS:Dever de casa:tem q ensinar bb a me chamar de titia! ;)

Marília Silveira disse...

Por dióóós! O homem está possuído! Vou te enviar um e-mail que trata bem da questão, e com humor!

Mas deixo aqui um viva ao troglomacho! Vocês fazem falta, às vezes... hehehe

Um beijo!

Fernanda Luz disse...

Isso que eu chamo de desabafo!! Mas que nada...todos nós temos defeitos, basta entende-los e aceita-los. Mas principe encantado existe sim, e ele tem tantos defeitos como qualquer homem...principe encantado é aquele que conquista o coração de uma mulher, quando a mulher se apaixona , aquele homem é o principe encantado...por mais defeitos que tenha...hehehee.

Ótimo restinho de domingo!

Sandra Rossi disse...

Olá!

Gostei do seu blog, voltarei aqui mais vezes.

Um abraço!

*blackcat* disse...

Olá!!!

Nossa...Não sei se é pra rir ou para chorar?! Mas ainda prefiro a primeira opção!!!
KKKK...
Isso me parece uma dica,desabafo realista até demais,é uma das melhores definições para defender a classe, é para repensar os conceitos.
KKKK...
Será que existe um meio termo?!!!
Tomara...

Parabéns!!!

Abraços!!! ;)

valcir ortins disse...

Ah, os idiotas... meu povo. Desde hoje pela manhã venho tentando incluir um comentário minimamente inteligente para este post e continuamente esbarro em minhas limitações digitais. As versões 16 e 42 eram até engraçadinhas... Por inaptidão, enviei-as ao limbo das mensagens jamais lidas. No esforço de tentar resolver a situação, mexi até no meu perfil (que a partir de hoje é de seguidor e não de colaborador, o que, presumo, significa que fui rebaixado para a segundona). De toda forma, o comentário que venho tentando fazer é, mais ou menos, o seguinte: tanto o conceito como a nomenclatura de troglossexual foi uma construção coletiva da Turma do Café Tm (é, eu não achei o símbolo). O primeiro termo que empreguei pra definir-nos foi retrossexual, prontamente rechaçado por sua conotação pós-metrossexual. Quando mencionei troglossexual, houve pronta, irrestrita e unânime aclamação. E a´já tínhamos algo para chamar de "nós". Dito isto, vou tentar mandar a mensagem novamente. Se não funcionar, criarei um perfil fake (espero que seja este o termo), e tentarei novamente por que é óbvio que esta entidade conhecida por internet me odeia.

valcir ortins disse...

PS: não existe meio termo.

Dora disse...

E como boa ingressante na idade balzaquiana, devo concordar sim senhor. É uma pena que ainda haja tantos choramingos por coisas inúteis, como a tal história feminista de que somos iguais, homens e mulheres. Não, não somos. Querendo elas ou não. Paciência e cada um na sua.
Adorei o texto^^